Thursday, September 2, 2010

Opinião: O estranho "patriotismo" (?) cabo-verdiano.

Por Eder Semedo

Jordan Ayew, jovem franco-ganês de 18 anos, acaba de ser elevado ao estatuto de herói no Gana. O atleta, filho de Abedi Pelé, nascido em Marselha e que representa o Olympique da mesma cidade, rejeitou integrar a selecção francesa com o simples argumento de que... é ganês.

A Federação Ganesa de Futebol não perdeu tempo e, talvez em forma de retaliação à sua congénere francesa, convocou o jovem Ayew para o jogo da 1ª jornada de qualificação para a CAN 2012.

Talvez pelo fato de terem como referência ganeses como Michael Essien, que também não hesitou em representar o Gana em vez de esperar por uma chamada da França, país onde começou a carreira profissional, os jovens futebolistas ganeses ou de ascendência ganesa estarão cada vez mais inclinados a representar os "Black Stars". "Black Stars" que tão bem representaram Gana e África no último Mundial, tendo levado às lágrimas milhões de adeptos do futebol por todo o Continente Africano, devido à dramática eliminação aos pés do Uruguai.

Alguém se lembra do que era a Côte d'Ivoire antes de Drogba ter decidido representar o país onde nasceu? Uma seleção mediana, que nunca tinha conseguido alcançar grandes patamares no futebol africano, nem nunca se tinha apurado para um Mundial. Drogba, jogador de classe mundial, é um herói nacional e tornou-se no rosto do país. Hoje, os jovens marfinenses têm o sonho de jogar de "laranja", como o seu ídolo Drogba, e não de esperar por uma convocatória dos "Azuis" da França... Vale lembrar que o jovem Drogba foi para França com apenas 5 anos, para viver com um tio. Regressou à terra-mãe 3 anos depois, mas aos 13 anos de idade fixava-se definitivamente em solo francês, juntamente com os pais. Chegou a ser convidado para jogar pela França mas não aceitou.

Afinal, o grande Didier até passou a maior parte da sua vida em França! Os prémios de jogo na seleção francesa são superiores! Porque carga d'água optou por representar a Côte d'Ivoire? Segundo o próprio Drogba, no momento em que foi contactado pela Federação marfinense não hesitou: naquele momento falaram mais alto as origens, aquilo que ele realmente é, o povo marfinense, o hino marfinense. Drogba podia ter dito que não, podia ter dito que cresceu em França e sentia-se francês, mas não o fez!

Quem de fato gosta de futebol não pode comparar o futebol de clubes com o de seleções. Representar um PAÍS, um POVO, uma BANDEIRA, um HINO, devia ser algo puro, baseado no patriotismo e não em interesses sujos de progressão na carreira. Felizmente George Weah jogou pela Libéria! E nem sequer o fato do seu país natal enfrentar uma guerra civil foi suficiente para que o liberiano sequer pensasse em jogar pela França, país de acolhimento.

Em Cabo Verde a situação é triste, e tirando Dady, que podia almejar a seleção portuguesa mas não hesitou em jogar por Cabo Verde ainda novo, quantos mais fizeram o mesmo? Valdo, Sandro Mendes ou Pelé só aceitaram jogar pelos Tubarões Azuis quando se aproximavam dos 30 anos de idade e o sonho de jogar por Portugal ou Espanha começava a morrer. Fernando Tissone se calhar vai pelo mesmo caminho. Rolando e Nélson, nascidos e criados em Cabo Verde, renegaram a Seleção de Todos Nós. Zé Luís, que deverá ter um futuro grandioso, também recusou agora representar a Seleção. A comunicação social dá mais destaque a Nani, Rolando, Benfica ou Porto do que a Dady, Stopira, Fock ou Boavista da Praia, que de fato estão a defender a nossa bandeira. Nas redes sociais, todos comentam os resultados dos clubes estrangeiros, mas o Senegal vs Cabo Verde só era referido por alguns aficionados casmurros. Que espécie de país é este?


E não me venham falar na Federação, porque eu também sou um grande crítico. O futebol jovem é uma desgraça em Cabo Verde, a falsificação das idades dos jogadores por certos clubes segue impune, há jogadores que parece terem lugar cativo na seleção (Ernesto, por exemplo), enquanto outros nunca são chamados, entre mais uma dezena de coisas. Mas acima de tudo somos cabo-verdianos, vamos lutar para melhorar e não fugir com o rabo à seringa. Quem sente o país representa os Tubarões Azuis, e se tiver diferendos com a FCF que fale e provoque um verdadeiro debate sobre a Seleção no país!

Aqui, a convocatória sai e ninguém diz nada. Nenhum jornalista pergunta o porquê disto, o porquê daquilo, qual a lógica por trás da convocatória de um jogador que ainda não fez nenhum minuto esta época, porque não está na seleção o jogador "X" que tem jogado muito bem em França ou Holanda. Não há análises. Nada. ZERO. Não há massa crítica? Somos um povo que só anda ao sabor da corrente? Somos algas? A pouca discussão é feita pelos aficionados nos comentários às notícias do "A Semana", "Expresso" ou "Nha Terra". Ficam exemplos:

- Valter lesionou-se ontem com alguma gravidade e não poderá defrontar o Mali. Hoje, na edição das 16:30 do Jornal do Desporto da Rádio de Cabo Verde não houve qualquer referência a este assunto. Ninguém tentou sequer saber se irá ser chamado um substituto.

-Após o empate dos Tubarões Azuis frente a Portugal, a medíocre análise feita na Televisão de Cabo Verde centrou-se no fato da espinha dorsal da Seleção já ser veterana, tendo sido dado o exemplo do... Veiga. Dizer que Veiga faz parte da espinha dorsal dos Tubarões Azuis é de uma incomensurável estupidez.

O nosso futebol precisa de mais patriotas, de jogadores que considerem que vestir as cores do nosso país é algo único, que provoca uma sensação inexplicável. E são esses atletas que merecem todo o destaque. Vamos valorizar os nossos Weah's, Drogba's, Etoo's, Ayew's, Essien's. Chamem-se eles Dady, Lito, Gegê, Héldon, Fock, Nando, Babanco e os outros atletas internacionais. Os verdadeiros heróis do nosso futebol.

Rumos ao CAN 2012!

Eder Semedo - CV-Desporto

http://www.criolosports.com/

12 comments:

  1. Estou totalmente de acordo com o texto

    ReplyDelete
  2. Excellente artigo, gostei mas talvez ten de haver mas ku nos federasao e tambem melhor recurso pa djuda nos futebol, parsen ma nu meste mas apoio de governo nu ten ki pensa na noz pais moda kez otus. Caboverde nes momento sta nun desenvolvimento mas alto ki antes e kel la pode djuda maltas pensa diferente. forsa Eder Semedo e ki bu trazenu mas artigos sobre nos desporto .
    kel Abraso de Sempre
    Calo

    ReplyDelete
  3. Ben scrito nha irmon. Infelizmenti tcheu maltas ka ten orgulho di not futebol ou di ser Caboverdiano. Bu da grandes exemplos di Drogba, Essien e varios ki opta pa ses pais Querido. Mas ku fe na deus un dia Cabo Verde ta tchiga la sen Nani, Rolando e outros. Inda mas triste e ki tcheu maltas ta preocupa mas ku seleson di Portugal antes es preocupa ku nos seleson. Tcheu maltas nen ka sabi si Cabo Verde sta defronta Senegal es fin di semana. Mas es sabi certo ma seleson di Portugal sta juga. E Tristi e nu sta mesti muda nos mentalidadi. Muito Obrigado pas es excelent Artico.

    Bibi(AKA Carlos Amado)

    ReplyDelete
  4. bem escrito. E um tristeza rapaz ta nega silecon di sis terra pa spera bai di tuga. bu ten tudu razon na bu analise nha irmon. continua pamodi nu mesti mas pessoas ta pensa sima bo.
    Tony

    ReplyDelete
  5. pa mi es ka debi ser txomadu mas. Nu tem talentu suficienti ki ta mostra orgulhu na ripresenta nos terra. Nu skeci di kes portugues falsos.

    ReplyDelete
  6. Grande analise. ainda onti min staba na um barbearia na Boston. Conbersu foi so na jogu di selecon di portugal ki sta jugaba na momento. Otus disloka la so pa odja jogu. Min pergunta ses sabi ma nos silecon ta juga sabado, nenhum amantes di desporto la dentu ka sabi. na nha curiosidadi mim pergunta ses ta flan nomi di nos trenador principal. Pa nha spanto 1 so alguen ki sabia. Ta mostra ma nen nos propis simpatizantis ka ta da nos silecon valor. e uma vergonha. Forca CV. CAN ku nos

    ReplyDelete
  7. Grand Edy, bom artigo nha boy ta concorda completamente ku bo anilise.
    Macras.

    ReplyDelete
  8. Talvez...ma Eder se bo fosse futebolista i bo tivesse oportunidad d ba pa Copa ta representa Portugal o França o qq ote seleçao i mostrá bos capacidad, uke ate podeh levob a contratos mais bem pagos bo ka tava bai?? Hmmmm... de qq forma ka no eskce ma jogadores e profiddionais. Ses carreira ta cabá ced i ses poder catapultá ses carreira a nivel d1 seleçao k ta trazes mais bneficios financer es ka tava aceita porque? Bo ta pensa mesma coisa d tud nos emigrantes la fora k é formod i k basta bem pa CV es ta consegui trabaiá ma es ta lá ta ganha ses dnher la fora? Obviament keh bnit oiá um jogador tem opçao emocional... mas no tem k intende k es ti ta trabaiá i ses futur e kta em jogo. Abrç. Amilcar Barbosa.

    ReplyDelete
  9. Nha irmao Amilcar, na mundo di gossi juga pa silecao de portugal ca ta trazi mas benefio financeiro a ninguen. Bu mesti e talento, nao portugal. seria bom si bu daba nos um exemplo concreto di benefio ki kes atleta qui mencionado dja tevi pamodi es juga pa portugues.

    ReplyDelete
  10. Amen Tomas!

    ReplyDelete
  11. N gosta txeu d'es artigo. E acho que na federacao no precisa de pessoas voltado a marketing, que podi fazi de seleccao algo mas "cool". Na varzea cheio de alguem cu ikipamentu di seleccao, e quanto ki federacao poi na bolso? Nada... tudo foi comprado na chines. Pamodi ki federacao ca ta fazi ses proprio ikipamentu pa vendi, e poi algum dinhero na ses orcamento. Pamodi es ca ta faze algum tipo de Sports Pub, la pa lado di Centro de Estagio, e quel dinheiro podi bai pa ses fundus. Pamodi es ca ta tenta webcast jogo de CV cobrando algo simbolico, diaspora ta agradeci e ses fundus tanbem. Ja e hora di mexi na strutura di Federacao.

    ReplyDelete
  12. Parabens Eder Semedo.Mostraste que es um caboverdiano nato como eu,ha muito tempo que ando a criticar esses caboverdianos desumildes, que chegam la fora e esquecem a terra onde nasceram,Viva Cabo Verde....

    ReplyDelete